segunda-feira, 14 de outubro de 2013


Joia do tempo

 
 
 
Nascemos cobertos de carinhos e logo estamos sozinhos.

Mas aos poucos encontramos vidas que se somam a nossa vida.

Andamos por muitos lugares

Passamos por várias pontes que nos ligam e nos afastam.

 

Atravessamos mares, encontramos amores, ou até mesmo, o amor.

Alguém para multiplicar e receber o que conquistamos

Somo assim, seres crescentes, virtuosos e carentes.

 

Cruzamos o céu, escalamos montanhas... E quantas montanhas!!!

Mas a vida é assim mesmo

Sempre nos trazendo surpresas, horas boas, horas más.

Mas, pouco a pouco nos afastamos do nosso lugar de origem

e começamos a somar lembranças.

Lacunas que nos deixam os nossos entes.

 

Então conhecemos a despedida e as lágrimas banham os nossos olhos.

Com força que arrancamos de dentro de nós

de onde nem sabíamos que existia.

Lutamos contra a dor, até vencê-la.

 

E saímos, casamos, construímos, separamos, recasamos...

tantas alegrias e também, tantos desencontros.

Mas nos vem à esperança novamente quando eles chegam.

Os nossos netos, que benção!

Parece que a vida toma novo rumo e ganhamos mais forças.


 

Então, é hora de procurarmos os amigos.

Mas onde eles estão?

Passamos tanto tempo ocupados com nossas vidas e nem notamos

Que muitos deles também se foram.

Sabíamos sim, que eles estavam indo, mas sempre tínhamos algo a fazer

E mal fazíamos pequenas visitas.

 

Que pena! O tempo passou tão depressa...

Já não encontramos nossos amigos.

Muitos moram com os filhos

Outros mudaram de cidade ou até mesmo de país.

 

E aquela musica que tanto ouvíamos na adolescência?

Tornou-se brega demais e só a ouvimos baixinho.

Nosso vizinho é muito jovem e não entenderia.

Como alguém pode ainda gostar de ouvir isso?

O jornal, a TV, tudo é tão diferente...

 

Hoje quero sair sozinha, vou ao jardim e depois caminhar rumo ao horizonte

Quero olhar para o céu visitar as estrelas e se possível colher uma delas

Ofertá-la a mim, mesma, pois sou joia do tempo

Enriquecida de amor e saudade

E com tudo, não embruteci.

 

Lili Ribeiro-13-07-2011

Nenhum comentário: